Vai ser realizada na cidade de Medelín, Colômbia, a 7ª Bienal Ibero-americana de Arquitetura e Urbanismo (BIAU), em outubro. No início de abril foi divulgada a lista definitiva dos projetos que representarão o Brasil. De 10 escolhidos – de um total de 90 pré-selecionados -, apenas um é do Rio de Janeiro. Conheça a lista:

  • Hospital Sarah-Rio, João Filgueiras Lima, Rio de Janeiro RJ, 2009
  • Biblioteca São Paulo, Aflalo & Gasperini Arquitetos, São Paulo SP, 2009
  • Box House, Yuri Vital, São Paulo SP, 2008
  • Casa em Ubatuba, Ângelo Bucci, Ubatuba SP, 2009
  • Centro Educativo Burle Marx em Inhotim, Alexandre Brasil, Paula Zasnicoff Cardoso, Brumadinho MG, 2009
  • Edifício Aimberê, Andrade Morettin Arquitetos Associados, São Paulo SP, 2009
  • Memorial da Imigração Japonesa, Gustavo de Araújo Penna, Mariza Machado Coelho, Paulo Pederneiras, Belo Horizonte MG, 2009
  • Museu do Pão, Brasil Arquitetura, Ilópolis RS, 2007
  • Praça Victor Civita, Adriana Blay Levisky e Anna Julia Dietzsc, São Paulo SP, 2008
  • Sede da Fundação Iberê Camargo, Álvaro Siza Vieira, Porto Alegre RS, 2008

Foram 5 projetos de São Paulo, 2 em Minas Gerais e 2 no Rio Grande do Sul, além do representante carioca. A arquiteta Ana Luiza Nobre informou em seu blogue quais foram os projetos pré-escolhidos no estado do Rio, e aponta certas especificidades: “Quatro são casas. 2 estão localizados fora da cidade do Rio de Janeiro. E apenas 3 são de arquitetos sediados no Rio”. Ela referia-se à Casa em Santa Teresa (SPBR Arquitetos), Casa em Paraty (Marcio Kogan); Casa Píer (Gabriel Grinspun e Mariana Simas); Casa Varanda (Carla Juaçaba); Edifício Beta (Andres Passaro, Diego Portas e Marcos Fávero); Galeria Progetti (Pedro Rivera e Daniela Brasil) e o e Hospital Sarah-Rio.

Esta notícia oferece uma série de pontos para reflexão sobre a arquitetura em nosso estado e sua representatividade. Se adicionarmos à análise os rumores sobre mais um concurso fechado para a escolha de um projeto arquitetônico importante para o estado – a Marina da Glória, sob controle do grupo EBX, de Eike Batista – há que se adicionar à lista de questões o já conhecido efeito Tostines: será que a arquitetura do estado não aparece mais porque é sistematicamente preterida em detrimento de estrangeiros ou não faz frente aos concorrentes de fora porque não tem visibilidade?