Um debate maduro

23/08/2010

Nas últimas semanas registrou-se uma intensa e salutar discussão entre arquitetos, que começou virtual e já tomou rumos “além-rede”, bastante concretos. Surgiu como um questionamento, antes até de tornar-se uma denúncia, sobre sites que oferecem serviços de arquitetura de modo, digamos, duvidoso.

Obviamente não se trata de sites de escritórios de arquitetura estabelecidos; muitas vezes nessas páginas não há sequer a identificação de um arquiteto responsável. Há ofertas de projetos a preços abaixo da tabela – o que configura, no mínimo, concorrência desleal – e até projetos prontos para todo tipo de edificação, incluindo aí hospitais, restaurantes e farmácias, por exemplo. Prontos para levar, da mesma maneira que, numa loja de departamentos escolhe-se uma calça tamanho 40 ou uma camisa nº5.

No debate sobre responsabilidades e fiscalização, obviamente foram questionadas as atuações de entidades de classe, sobretudo os Conselhos Regionais. Houve quem lembrasse que a eminente aprovação do CAU deve coibir melhor esse tipo de prática, mas um razoável consenso se fez sobre a necessidade de vigilância constante de toda e qualquer entidade representativa e, em última instância, de cada profissional.

Mas quem recorre a esse serviço precisa saber dos riscos aos quais se sujeita – ou deveria saber. Em que medida a sociedade brasileira – e não a diminuta parcela dela que compõe a classe média alta – tem noção das atribuições de um arquiteto, das particularidades de um projeto? Para Celso Evaristo, diretor do SARJ, as pessoas que buscam o projeto pronto “são as mesmas que diante do sonho de construir suas próprias casas compram diversas revistas e usam, quase sempre, desenhistas e engenheiros que repetem aqueles desenhos, e aprovam os projetos nas prefeituras, tudo por R$ 300,00.” Indo ainda mais fundo na questão, Evaristo defende uma revisão de valores e conceitos: “O que temos que difundir é a cultura da nossa profissão, sua ciência e utilidade social”.

E, numa postura realmente madura, a discussão não poupou a nós próprios arquitetos, questionado em que medida nós arquitetos contribuimos para uma imagem elitista da profissão, se os valores cobrados não estão acima da realidade social brasileira e de que modo a burocracia estatal encarece esse serviço.

Neste debate, numa outra demonstração de evolução, a internet e as novas redes sociais foram entendidas como de fato são: ferramentas, instrumentos que propagam com maior rapidez tanto ações deletérias quanto as reações de denúncia e luta. Dessa discussão uma representação formal foi feita a um dos conselhos, a Campanha pela criação do CAU foi reforçada e, talvez o maior dos ganhos, um debate franco e corajoso foi estabelecido –, e nada contribui mais para o fortalecimento de uma classe.

Anúncios

2 Responses to “Um debate maduro”


  1. Nossa…Irá a padronização industrial atingir a nós arquitetos?
    +1

  2. Suel Fruvasc Says:

    Nossa…
    Irá a padronização industrial atingir a nós arquitetos?


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: